concreto | Blog Telhanorte

Forros: conheça os principais modelos

285105-teto-rebaixado-com-gesso-e-iluminacao-vale-a-pena-investir-1280x640

| Decoração

 

Entenda quais as funcionalidades do forro para o teto e descubra mais sobre os forros de gesso, PVC, cimento e madeira

 

Além de ter a importante função estética de abrigar fiações, vigas e dutos elétricos, o forro também tem como missão fornecer conforto térmico e acústico para o ambiente. Por isso, é importante que você faça a escolha com cuidado. É preciso conhecer as características, pontos positivos e negativos de cada uma das opções.

O conforto térmico é, como o próprio nome diz, a sensação de conforto provocada pela temperatura de um determinado ambiente. Em locais com bom conforto térmico, pode-se passar longas horas ali sem sentir sensações extremas de frio ou calor.

Já o conforto acústico existe quando o ambiente permite boa compreensão da fala ou dos sons ali criados, ao mesmo tempo em que isola com sucesso os sons externos indesejáveis no ambiente, proporcionando uma sensação de bem-estar.

 

Sugestão de matéria:  Conheça 8 Tipos de Telha, Tipos de Infiltração, Tipos de Manta Impermeabilizante e aprenda Como Tirar o Mofo da Parede

 

Escolhendo de forma correta o melhor tipo de forro, é possível alcançar os níveis de conforto perfeitos para cada ambiente, além de incrementar o design do espaço com revestimentos repletos de estilo.

A seguir, falaremos sobre as particularidades dos principais forros existentes no mercado. Acompanhe e escolha o seu!

 

1. Gesso

Extremamente popular e atemporal, o acabamento em gesso pode conferir estilo e requinte ao ambiente, especialmente se falarmos em projetos com rebaixamento.

O tipo de forro em gesso é conhecido de duas diferentes formas: tradicional, cujo acabamento é feito por meio de placas de gesso encaixadas lado a lado e presas com uma estrutura de arame, e drywall, opção de instalação rápida e fácil, na qual as placas de gesso acartonado são dispostas sobre uma estrutura de metal.

As placas de gesso tradicionais são mais sensíveis e podem apresentar trincas e rachaduras com relativa facilidade, enquanto que a peça de drywall, além de mais resistente, é mais fina, leve e gera menos sujeira durante a obra.

Entre as principais vantagens do gesso estão a possibilidade de criação de projetos de iluminação embutida, seu ótimo isolamento acústico e térmico e a facilidade de limpeza e manutenção.

 

Sugestão de matéria: Saiba O que é sanca de gesso e qual seu principal uso? e sua principal diferença com o forro de gesso. Aprenda, também, Como iluminar sanca de gesso: dicas e ideias ilustradas para arrasar!

 

É importante dizer que instalar forros de gesso no teto de banheiros costuma trazer diversas dúvidas, pelo fato do material ser relativamente sensível à umidade. No entanto, utiliza-se bastante o gesso acartonado nesses casos, não havendo grandes problemas.

Já para as paredes e outras áreas do banheiro, que estarão em maior contato com a água, recomenda-se o uso do gesso verde, por conta de sua maior resistência.

 

forro-gesso-teto-drywall-iluminacao-cozinha-luz-branco

Forro de gesso em cozinha (Foto: CMR Home Network / Reprodução)

 

2. PVC

Junto do gesso, o PVC é outro queridinho entre os tipos de forro. Extremamente versátil, ele é recomendado para diversos tipos de projeto.

Com inúmeros estilos e aparências (inclusive algumas que disfarçam sua aparência de plástico, como a que simula madeira), o PVC pode ser o forro ideal para ambientes simples ou sofisticados. É também uma opção muitas vezes mais econômica que as demais, apesar do preço variar bastante entre os diversos modelos.

Outro ponto positivo do PVC é a facilidade de instalação: as placas são encaixadas umas às outras e dispensam qualquer tipo de acabamento, como pintura ou verniz. Ainda assim, recomenda-se a contratação de um profissional!

Sua higienização é simples, podendo ser feita apenas com água e detergente neutro e sua durabilidade é alta, sendo imune a ataques de cupins e resistente à umidade, tornando-o um material recomendado para áreas de serviço e lavabos.

Entre os pontos negativos estão: o baixo poder de isolamento acústico e térmico de boa parte de seus modelos (o que torna necessário aliá-lo a uma manta de lã mineral entre o forro e o telhado) e a baixa resistência a temperaturas elevadas (não sendo, portanto, o revestimento ideal para a cozinha ou área de churrasqueira).

Vale destacar, no entanto, que peças de PVC de maior qualidade poderão apresentar melhor resistência ao calor que as demais!

Forro-PVC-liso-400x20X09cm-5-pecas-puntinato-TWB

Forro PVC liso 400x20X0,9cm 5 peças puntinato TWB (Foto: Acervo / Telhanorte)

 

Forro-PVC-duplodez-400x20X08cm-5-pecas-puntinato-TWB

Forro PVC duplodez 400x20X0,8cm 5 peças puntinato TWB (Foto: Acervo / Telhanorte)

 

3. Cimento/concreto

Enquanto para alguns, o forro de cimento é uma opção descartável pela sua aparência, para outros, a escolha pode representar um ganho em estilo!

Grande aliado do estilo de decoração industrial, o forro em concreto não exige pintura ou acabamento, o que torna os custos de instalação mais baixos e acessíveis.

Outra vantagem do cimento ou concreto como forro é sua alta resistência à umidade, sendo um material bastante impermeável.

O grande ponto negativo do forro em concreto é sua grande capacidade de absorver luz, o que tende a tornar os ambientes mais escuros. Nada que não possa ser contornado com um bom projeto de iluminação, algumas luminárias e arandelas bem posicionadas pelo cômodo e um ótimo jogo de espelhos!

 

forro-concreto-cimento-queimado-aparente-estilo-industrial-moderno

Forro de concreto aparente (Foto: Homify / Reprodução)

 

Sugestão de matéria: Confira Como usar espelhos na decoração da casaEspelho de parede inteira e os seus segredos!

 

4. Modular

Queridinho dos espaços corporativos, o forro modular é formado por uma grelha metálica fechada com diversas placas encaixadas sobre sua superfície. Por ser um revestimento sem rejunte ou cola, permite fácil acesso à parte interna do forro, possibilitando a manutenção de equipamentos eletrônicos e demais estruturas.

Apesar de ser uma estrutura facilmente reconhecível (você com certeza já viu escritórios ou salas de aula essas repartições “quadriculadas” no teto), sua composição pode ser variada: as placas podem ser feitas de materiais como isopor, PVC, gesso, lã de vidro, metálicos, e por aí vai.

 

Forro-Modular-pvc-gesso-isopor-la-vidro

Forro modular (Foto: Mc Steel / Reprodução)

 

5. Madeira/Lambri

O uso da madeira como forro pode ser feita de diversas formas, como em lambri (no qual tábuas são fixadas internamente nas vigas), de forma aparente, fixadas sobre estruturas externas, entre outros.

Dentre as principais vantagens desse tipo de forro estão a estética do acabamento, que contribui para a sensação de aconchego e harmonia ao ambiente e a possibilidade de uso do material em ambientes internos e externos (lembrando que, nos externos, o recomendado é inserir, nas tábuas, um impermeabilizante para evitar a absorção de água).

 

Forro-de-Madeira-Lambri-Cedro-Marinheiro-Extra-curto-2

Forro de madeira Lambri (Foto: Allmad / Reprodução)

 

Sugestão de matériaComo envernizar forro de madeira e conservá-lo lindo

 

Agora que você já sabe quais os tipos de forro para o teto, certamente conseguirá escolher o melhor para compor o seu ambiente. Confira ainda na loja virtual da Telhanorte parafusos e tintas especiais para serem utilizados na instalação e acabamento do seu forro.

 

Parafuso-p--Forro-de-Gesso-e-Drywall-Phillips-Bicromatizado-c--Bucha-4x50mm-10mm-Placa-de-13-a-23mm-Fixtil-1381709

Parafuso p/ Forro de Gesso e Drywall Phillips Bicromatizado c/ Bucha 4x50mm/10mm Placa de 13 a 23mm Fixtil (Foto: Acervo / Telhanorte)

 

Parafuso-phillips-40x50mm-para-aglomerado-com-bucha-para-forro-de-gesso-e-drywall-PBG-01-Fixtil

Parafuso phillips 4,0x50mm para aglomerado com bucha para forro de gesso e drywall PBG/01 Fixtil (Foto: Acervo / Telhanorte)

 

Tinta-acrilica-Gesso-e-Drywall-branca-36L-Suvinil

Tinta acrílica Gesso e Drywall branca 3,6L Suvinil (Foto: Acervo / Telhanorte)

 

Edição de Vinicius Marques e Murilo Bonício

Cálculo de canaletas de concreto por m² construído

canaletas-calculo-quantas-obra-reforma-projeto-construir

| Construção

 

Aprenda a calcular quantas canaletas de concreto por metro quadrado construído sua obra precisa

 

Vai construir ou reformar e não quer ter dor de cabeça? Um dos segredos é saber a quantidade certa de materiais para concluir o seu projeto de forma rápida e eficaz. Assim, descobrir como calcular quantas canaletas de concreto por metro sua obra precisa é um excelente começo.

Além de garantir que o cronograma seja cumprido, o cálculo correto desse e de outros materiais de construção, contribui para economia financeira e evita desperdício de produtos.

Mas como chegar ao número exato? Que dados você precisa ter em mãos para levantar a quantia certa a ser comprada? Continue a leitura e descubra!

 

Sugestão de leitura: Já que você está lendo sobre cálculos e medidas, confira a Quantidade de lâmpadas por m²: saiba calcular em nossa matéria no blog.

 

Projeto (Foto: IStock / Divulgação)

 

Como saber quantas canaletas de concreto por metro a ser construído comprar?

As canaletas ou blocos canaletas são itens utilizados na construção de alicerces e nas chamadas “amarrações horizontais” de uma obra. Externamente, são idênticas aos blocos de concreto tradicionais, mas internamente são vazadas no comprimento, permitindo a passagem de concreto e/ou de ferragens.

Saber quantas canaletas de concreto por m² a ser construído serão necessárias para a conclusão da sua obra é essencial para otimizar o processo de construção, evitar o desperdício de materiais e de dinheiro.

Aqui, vale lembrar que esse material pode ser utilizado em diferentes momentos de uma reforma ou construção, tais como:

 

Assim, para lhe ajudar a chegar no número exato a ser comprado, criamos este passo a passo:

 

1. Identifique a área a ser construída

O primeiro passo consiste em identificar a área de construção.

Para facilitar o entendimento, vamos utilizar este exemplo: considere que o local que irá utilizar as canaletas tenha 6m x 4m de lateral, 3m de pé-direito, 1 porta e 2 janelas.

Dessa forma, temos o seguinte cálculo:

 

2. Calcule a quantidade de canaletas

Lembra que mencionamos que as canaletas são similares aos blocos de concreto, diferenciando-se apenas em seu interior? Assim, seu tamanho de fabricação também segue o mesmo desses materiais.

Estamos falando isso, porque, agora que identificamos a área a ser construída, é o momento de calcular quantas canaletas de concreto por metro serão utilizadas e, para isso, é preciso considerar o tamanho de cada peça.

A exemplo dos blocos, as canaletas de concreto são divididas por famílias, sendo:

 

Para calcular quantas canaletas de concreto por metro são necessárias no seu projeto, é fundamental lembrar de utilizar todas as peças da mesma família – inclusive os blocos.

Com isso em mente, temos o seguinte cálculo, baseado nos valores encontrados anteriormente:

 

Canaletas para amarração das paredes

 

Quantidade de canaletas de concreto para amarração das paredes: 55 unidades.

 

Canaletas para vergas e contravergas

Aqui, foi considerado um transpasse de 0,2m para cada verga e contraverga — elemento estrutural que funciona como viga para dar sustentação à área de instalação de portas e janelas, evitando possíveis rachaduras.

 

Assim, temos o seguinte cálculo para o nosso exemplo:

 

Quantidade de canaletas de concreto para vergas e contravergas: 25 unidades.

 

Tipos de canaletas de concreto

Agora que você sabe quantas canaletas de concreto por m² comprar para finalizar a sua obra, é interessante também conhecer os tipos mais comuns encontrados no mercado:

 

Como dito no início deste artigo, um dos segredos para construir ou reformar sem transtornos, é saber a quantidade de materiais que a sua obra precisa. Somado a isso, é essencial contar com uma boa equipe de profissionais e produtos de qualidade.

Na loja virtual da Telhanorte você encontra uma variedade de materiais de construção, além de todos os itens necessários para o acabamento e até eletrodomésticos. Escolha os produtos que precisa e compre on-line, por telefone ou WhatsApp. Você também pode visitar uma de nossas lojas físicas.

 

Edição de Murilo Bonício e Camila Alexandrino

Conheça 9 tipos de telha para não errar na escolha

| Área Externa

 

Vai começar a construção da casa ou reformar o telhado? Então você precisa ver essas dicas de tipos de telha para acertar na escolha!

 

Existem muitos tipos de telha, cada uma com suas vantagens e desvantagens. Ao começar a construção da sua casa ou reformar o telhado, você deve considerar suas preferências e necessidades para escolher o material mais adequado.

Mesmo que a seleção do telhado seja a última etapa de uma obra, seu planejamento deve ser feito logo no início, afinal, ele faz parte da arquitetura da casa e é tão essencial quanto as portas, janelas, tintas das paredes e revestimento para o chão.

Além da estética e de fatores como isolamento térmico e acústico, o preço também deve ser levado em conta, pois a variedade de estilos e acabamentos também alteram o custo, que impactam diretamente no valor total da obra.

Para que você faça a melhor escolha, trouxemos 9 tipos de telha nesse post especial, com as características, vantagens e desvantagens. Confira!

 

Tipos de telha: 9 modelos e características

1. Telhas cerâmicas

As telhas cerâmicas podem ser feitas de barro ou argila e são ótimas para quem quer um estilo clássico. Além de muito bonitas, são excelentes para garantir isolamento acústico.

Sua desvantagem é o peso e a fragilidade. Pelo material do qual são fabricadas, elas são mais pesadas e exigem uma estrutura bastante reforçada, que garanta que o telhado não desabe. Também há um risco maior de trincar.

Você pode encontrar telhas cerâmicas em variados modelos, como a francesa, portuguesa, romana, francesa, colonial, italiana, paulistinha e cumeeira.

 

telha-cerâmica

Telhas cerâmicas (Foto: CS Carimbos / Reprodução)

 

2. Telhas esmaltadas

As telhas esmaltadas são uma variação das telhas cerâmicas, mas sua principal diferença está no acabamento e é ele que modifica seu preço.

Elas podem custar duas vezes mais que as cerâmicas comuns, mas o acabamento impede infiltração e as tornam mais seguras contra quebras.

Outra vantagem é que o acabamento em esmalte pode modificar a cor do telhado e deixar à sua escolha.

 

telha-esmaltada

Telha esmaltada (Foto: Fala Barreiras / Reprodução)

 

3. Telhas de concreto

As telhas de concreto possuem muitas vantagens. A primeira delas é que regula a temperatura interna do ambiente. As telhas com concreto em cores mais claras, como branco e marfim refletem a luz do sol e, consequentemente, transmitem menor calor para dentro de casa, sendo ideal para lugares mais quentes. Já as telhas com cores mais escuras, como marrom e grafite absorvem o calor, o que é ótimo para lugares mais frios, o que reduz o gasto com aquecedores.

Elas também são mais resistentes que telhas cerâmicas e possuem menos chances de quebrarem, além de absorverem pouca água da chuva. Por não precisarem ir ao forno para serem modeladas, elas também não se deformam, o que permite um visual praticamente perfeito e facilidade na hora da montagem.

Algumas desvantagens são: custo elevado do material e a necessidade de reforço na estrutura que receberá as telhas.

 

telha-de-concreto

Telha de concreto (Foto: Mapa da obra / Reprodução)

 

4. Telhas de fibrocimento

Provavelmente você já ouviu falar em telhas de amianto, certo? Esse tipo de telha deixou de ser fabricada e vendida no Brasil, mas o mercado trouxe uma inovação ainda melhor: as telhas de fibrocimento.

Esse modelo é mais vantajoso em vários sentidos. Um deles é o peso em relação a telhas cerâmicas e de concreto. As de fibrocimento são bastante leves e não exigem vigas e pilares reforçados para sua estrutura. Além disso, elas são muito mais resistentes e duráveis que outros modelos.

O ponto negativo que deve ser considerado ao pensar na construção e reforma do telhado é o baixo isolamento térmico, pois elas absorvem muito calor. Se você mora em um local quente, a solução é construir uma laje ou inserir um forro de telhado na construção.

 

telha-fibrocimento

Telha de fibrocimento (Foto: Brasilit / Reprodução)

 

5. Telha de vidro

As telhas de vidro são opções perfeitas para locais onde você deseja ter iluminação natural e de quebra economizar energia elétrica.

Além de serem resistentes a variações térmicas, são eficazes contra morcegos, moscas e outros tipos de animais. Esse tipo de material também suporta intempéries como chuvas de granizo ou ventos fortes, mas sua desvantagem é a manutenção.

Elas precisam ser limpas com frequência, já que a sujeira acumulada prejudica a visibilidade e a entrada de luz solar.

As telhas de vidro nem sempre possuem um preço acessível, mas como normalmente não são colocadas em toda a cobertura da casa, o custo vale a pena. Você pode investir nesse modelo em locais estratégicos, como varandas, jardins e lavanderias.

 

telha-de-vidro

Telhas de vidro (Foto: Prismatic / Reprodução)

 

6. Telhas Policarbonato

Mais resistentes que as telhas de vidro, as de policarbonato têm outras inúmeras vantagens. Elas podem receber uma proteção adicional contra raios ultravioletas, além de permitirem a entrada de luz solar.

A limpeza desse material é mais simples que a do vidro, por exemplo. A estrutura necessária para a instalação não precisa ser tão reforçada quanto em telhados de concreto, então, o custo benefício do policarbonato é muito maior.

 

telha-policarbonato

Telha de policarbonato (Foto: Cultura Mix / Reprodução)

 

7. Telhas galvanizadas

A primeira coisa a saber sobre telhas galvanizadas é que existem algumas diferenças entre elas e as telhas galvalumes. As telhas galvanizadas são feitas apenas de zinco, já as galvalumes possuem alumínio, zinco e silício na sua composição. Essas diferenças fazem as telhas galvalumes serem mais duráveis, o que não significa, necessariamente, que as telhas galvanizadas sejam ruins.

Uma vantagem das telhas galvanizadas é o custo-benefício. Elas são feitas sob medida para o seu projeto, o que evita desperdício de material e proporciona economia. A instalação e manutenção também são simples e econômicas.

Uma desvantagem nesse material é o isolamento acústico. Com chuvas e outras intempéries, é possível que o barulho se propague de forma mais acentuada dentro do ambiente. Uma solução para evitar isso é inserir uma camada de cobertura isolante entre a telha e o forro, assim, a incidência de barulho será menor.

Um outro ponto negativo é o baixo isolamento térmico, por estas razões a recomendação de uso das telhas galvanizadas é para garagens e outros ambientes que não prejudiquem o dia a dia do morador por questões de barulho e aquecimento do espaço.

 

telhas-galvanizadas

Telhas galvanizadas (Foto: Dreamstime / Reprodução)

 

8. Telhas de PVC

As telhas de PVC são uma ótima opção para cobertura nas casas. Além de serem 100% recicláveis as telhas feitas com esse material possuem outras inúmeras vantagens. Além disso, você pode escolher um dos diferentes tons disponíveis no mercado.

Resistentes ao calor, transporte e manuseio, elas são ótimas soluções para cobrir a casa e evitar quebras. Elas também são bastante seguras em incêndios, pois não propagam fogo. Excelente no isolamento térmico e acústico, você não sofrerá com calor ou frio excessivos ou com barulhos constantes.

Apesar do isolamento térmico e acústico, ela também possui algumas desvantagens. Em lugares que há chuvas de granizo constantes, como no Sul do país, é possível que a telha sofra alguns danos e a propagação do som do gelo batendo na telha incomode.

 

telha-PVC

Telhas de PVC (Foto: Coberturas leves / Reprodução)

 

9. Telhas PET

Além de serem ecologicamente corretas, são uma opção com ótimo custo-benefício. Feitas a partir de resíduos de garrafas PET, elas têm proteção ultravioleta.

Elas são fáceis de instalar, muito seguras e resistentes. Caso você deseje uma cor diferente, é possível cobri-la com tinta acrílica. Não acumulam mofo, umidade e sujeira com facilidade, por esta razão, não precisam de manutenção e limpeza constantes.

Além disso, elas suportam temperaturas altas e são muito versáteis, pois podem ser moldadas nos mais variados formatos.

 

Telha-PET

Telhado feito com resíduos de garrafas PETs (Foto: Ong Telha Leve / Reprodução)

 

Onde encontrar os diferentes tipos de telhas?

Uma obra pode ser um processo longe e encontrar os melhores produtos e marcas, aliados a bons preços e ofertas nem sempre é uma tarefa fácil. Depois de ler essa matéria, você já está mais familiarizado com os diferentes modelos de telhas, além das características, vantagens e as desvantagens de cada modelo. Pronto para escolher o telhado ideal para sua casa?

Aqui na Telhanorte além de encontrar tudo o que você precisa em um só lugar, pode aproveitar nossas promoções e receber tudo em casa.

Acesse nossa loja virtual, além de comprar as melhores telhas do mercado, você ainda encontra rufos, calhas e parafusos para fazer (e manter) a instalação do seu telhado com os melhores produtos.

 

Edição de Camila Alexandrino e João Victor Quintino

Conheça os principais tipos de blocos de construção

parede-muro-tijolos-barro-ceramica

| Construção

Que o tijolo é a base de qualquer construção, todo mundo já sabe! Mas você sabia que existem diferentes tipos de tijolos e que cada um tem um uso específico dentro de uma obra?

 

Antes de começar a construir ou reformar, indicamos que você leia este guia com os tipos de tijolos em destaque no mercado. Pode parecer bobagem, mas é fundamental entender o básico de cada material, para garantir que os seus resultados sejam alcançados.

 

Blocos de cerâmica

Aquele tijolo tradicional e marrom, que você vê em toda obra, é um tijolo de cerâmica. Sua matéria-prima é basicamente o barro, permitindo um custo relativamente baixo. Além disso, possui alta resistência e um bom desempenho térmico. Por esses fatores se tornou o grande líder de mercado.

Um dos pontos negativos, entretanto, é a falta de padrão entre cada tijolo, o que pode gerar prejuízo para a obra, uma vez que é necessário quebrá-lo para poder realizar o encaixe correto das peças.

 

1. Tijolo baiano

É uma variação do tijolo de cerâmica. Ele possui 6 ou 8 furos e conta com ranhuras em suas laterais externas, o que melhora a aderência da argamassa. Como não possui boa resistência, ele é muitas vezes usado apenas para o fechamento de um projeto.

 

 

2. Tijolo maciço cerâmico

Os principais benefícios desse tipo de tijolo são:

– melhor acabamento;

– maior resistência;

– menor porosidade.

Sabe aquela parede de tijolos aparentes? Na maioria das vezes, elas são feitas com esse tipo de tijolo, pois ele deixa o acabamento mais bonito. Inclusive, esse tipo de parede é um dos itens principais do estilo industrial. Ele também não apresenta os orifícios comuns dos outros 2 tijolos que citamos anteriormente, o que permite maior isolamento térmico e acústico. É muito usado para decoração, sendo pouco utilizado e recomendado para a estruturação de paredes.

Os principais defeitos do tijolo maciço são o alto gasto de argamassa e a necessidade de mais tempo para finalizar a alvenaria.

 

 

3. Tijolo laminado

Esse modelo de tijolo é ótimo para muros e área externa. Ele pode ser encontrado tanto com furos quanto maciço e o que o diferencia dos demais tijolos é que sua superfície é laminada, tornando-se lisa. Ele apresenta uma ótima capacidade de isolamento termoacústico.

 

4. Tijolo refratário

O tijolo refratário é muito utilizando na construção de churrasqueiras, devido à sua alta resistência e baixa condutividade ao calor, além de funcionar como um isolamento termoacústico.

 

 

5. Bloco de concreto comum

Devido ao seu peso e massa, os blocos de concreto possibilitam um bom isolamento acústico, além de possuir outras vantagens como uma boa padronização (diferente do tijolo de cerâmica tradicional) e alta resistência. É também um tipo de bloco que precisa de menos argamassa, gerando mais economia em sua obra.

 

 

6. Bloco de concreto celular

Ao contrário do que o nome pode te fazer imaginar, esse bloco é leve e parece uma espuma dura.  É bastante útil para criar divisões, mas não tem quase isolamento acústico nenhum. É indicado para construções cujos locais não suportam estruturas pesadas, justamente pelo fato desses blocos serem leves.

 

 

7. Tijolo ecológico

Ele dispensa a queima do barro, é construído a partir do solo local, cimento e água, por isso é conhecido como tijolo ecológico. Também consome menos argamassa do que outros tipos de tijolos. Esse modelo tem dois furos em seu interior, necessários para a instalação de toda a parte elétrica da obra e não é indicado para a construção de vigas e pilares.

 

 

8. Bloco de vidro

Nossos dois últimos tipos de blocos são opções para decoração dos ambientes da casa. Além de decorarem, os blocos de vidro também são utilizados para compor e dividir ambientes. Possuem um custo elevado, por isso são usados em pequenos trechos da parede. Eles são ótimas opções para quem deseja aproveitar a luz natural, ao mesmo tempo, em que mantém certa privacidade.

 

 

9. Cobogó

O cobogó é um bloco vazado e tem uma vantagem clara sobre o tijolo de vidro: além de permitir passar a luz, também ajuda na ventilação de ambientes. Ele é muito utilizado na criação de ambientes diferenciados e sofisticados.

 

Leia mais: 4 tipos de cobogó para melhorar a decoração dos ambientes

 

 

E aí? Já sabe de qual bloco você precisa para a sua reforma? Na loja virtual da Telhanorte você encontra um departamento completo de blocos e tijolos. Faça seu pedido sem sair de casa e receba tudo no local indicado!

Não esqueça que só aqui na Telhanorte você encontra a maior variedade de materiais para construção, com o melhor preço do mercado. Acesse e confira!

 

 

Edição de Vinicius Marques e Camila Alexandrino

5 tipos de pisos para a área externa da sua casa

porcelanato-ambiente-externo-garagem-resistencia-piso-chao

| Área Externa

Você está construindo sua casa e não sabe qual piso utilizar na área externa? Entenda mais sobre a seguir

 

Você finalmente está realizando o sonho da casa própria. Escolheu um bom terreno, planejou com cuidado a divisão de cada cômodo, pensou na segurança e reservou um bom espaço para o terraço. Mas agora bateu uma dúvida sobre os tipos de pisos para a área externa?

Quando se trata de materiais, geralmente, as áreas externas são feitas de um dos cinco materiais básicos que vamos falar nesta matéria. Contudo, vale lembrar que o material escolhido será determinado por preferência pessoal, a localização da área, seu orçamento e o tamanho do espaço ao ar livre, além do que está disponível ou é possível comprar e trazer até o local da obra.

1. Tijolo

O tijolo, feito de uma mistura de argila e outros materiais, é resistente, dura muito tempo e possui um visual elegante e clássico que combina com diversos estilos arquitetônicos e paisagísticos.

Versátil, pode ser usado como piso para área externa, para paredes e como borda. Funciona tanto para paisagens formais quanto rústicas, criando visuais variados.

 

piso-area-externa-tijolo

Piso em tijolos (Foto: Pinterest / Reprodução)

 

Prós do piso de tijolo

 

2. Concreto

Seria difícil encontrar um tipo de piso mais versátil e adaptável do que o concreto. Este material combina uma mistura de areia, água, cimento e cascalho e oferece ainda mais opções de uso do que o tijolo.

Ao usar formas bem construídas, o concreto pode ser moldado e se adaptar a praticamente qualquer formato de superfície.

Além disso, você pode fazer o piso para área externa com o material e pintar para dar acabamento ou deixar au natural e aproveitar a aparência rústica do concreto.

 

piso-area-externa-concreto

Piso em concreto (Foto: Pinterest / Reprodução)

 

Prós do pisos de concreto

 

3. Azulejo de porcelana e cerâmico

Existe algo mais bonito que utilizar pisos de pedra para o ambiente externo? Na verdade, sim! Pisos que imitam o efeito de pedra, mas feitos de azulejo cerâmico ou de porcelana!

Especificamente os porcelanatos para área externa, são mais duráveis do que os de pedras naturais, dependendo da classificação do PEI (Porcelain Enamel Institute), um índice que avalia a quantidade de tráfego que uma superfície cerâmica pode receber.

 

piso-area-externa-porcelana-porcelanato-ceramico-

Piso de porcelana (Foto: Biancogres / Reprodução)

 

Prós do piso de azulejo de porcelana e cerâmico

 

4. Deck de madeira composta

Os decks de madeira podem dar ao seu espaço ao ar livre um toque rústico, caseiro ou um visual chique e moderno. Como sabemos, a madeira é atemporal, ou seja, caso você opte pelo deck, seu ambiente sempre estará lado a lado com a moda.

Uma das opções que imita o deck de madeira é, por exemplo, os pisos de vinil. Porém, uma vantagem do piso de vinil é que ele dispensa todo o trabalho que se tem ao utilizar um deck de madeira.

 

piso-area-externa-deck-de-madeira

Piso deck de madeira (Foto: Casa e Festa / Reprodução)

 

Prós dos decks de madeira composta

 

5. Pedras naturais

Também conhecida como telha de pedra, a pedra natural mais vendida no mercado é semelhante à lajota, embora seja cortada em formas quadradas ou retangulares.

Devido à sua forma geométrica e layout, elas são usadas para aplicações mais formais do que as lajotas com cortes desiguais.

Este tipo de piso tem variantes conhecidas como blocos belgas, blocos de pedra ou paralelepípedos, sendo esses últimos normalmente usados em pequenas áreas ou como rebordos para outros materiais como tijolos, granitos ou lajotas.

 

piso-area-externa-pedras-naturais

Piso feito em pedras naturais (Foto: Casa e Festa / Reprodução)

 

Algumas pedras naturais usadas como pisos para área externa são:

 

Leia também: Pedra de revestimento exterior: 7 modelos e inspirações

Como você acabou de ler, existem diversos tipos de pisos para o seu ambiente externo, cada um com sua proposta! A escolha se resume a localização, preferência pessoal e orçamento.

Se você já decidiu e está pronto para realizar a compra, confira nossa seção completa de Pisos e Revestimentos com tudo que você precisa para sua obra, desde acabamentos para piso, argamassa e rejunte até pastilhas, pisos, porcelanatos e muito mais!

 

Edição de João Victor Quintino e Murilo Bonício